Queda de altura representa 40% dos acidentes; veja como prevenir

14 de outubro 2021

SINCAF atua fortemente para que Limeira amplie o trabalho seguro

Foto: Divulgação

O cuidado nas obras com os trabalhos executados em altura deve ser um foco das empresas da área da Construção. Dados da Secretaria do Trabalho apontam que 40% dos registros de acidentes de trabalho estão relacionados a essa situação.

Não há dados oficiais específicos das ocorrências em Limeira. Porém, as notícias veiculadas por jornais, rádios e sites informativos apontam esse tipo de acidente, em residências ou obras, com uma certa frequência.

Grande parte delas apresenta características que tornam o cenário mais complicado, como sequelas nas vítimas ou a presença de operários atuando na informalidade.

O SINCAF atua fortemente para que Limeira amplie o trabalho seguro. O sindicato ocupa cadeira na representação patronal do Programa de Saúde do Trabalhador (PST), no município.

Também produz conteúdo voltado às empresas associadas, veiculado nesse site. Já falamos, por exemplo, dos acidentes que ocorrem em altura junto à fiação elétrica – reveja aqui.

Duas normas regulamentadores, as chamadas NR, abordam a questão. Uma é a de número 18, e a outra, a 35. A Secretaria do Trabalho, ligada ao Ministério da Economia, informa que os últimos dados são de 2019 e que incluem também outros segmentos que não os da Construção.

Esse cenário preocupante vai além do Brasil. Estudo da agência Health and Safety Executive, de 2018, aponta cerca de 120 acidentes diários envolvendo quedas de altura em todo o mundo. A agência tem sede no Reino Unido. Dois a cada três registros investigados pela agência estão relacionados com quedas de escadas, andaimes, plataformas de trabalho, bordas de telhados e telhados frágeis.

A legislação brasileira configura esse tipo de fato quando a altura supera 2 metros. Muitos casos poderiam ser prevenidos com práticas simples de saúde e segurança do trabalho, incluindo o segmento da construção.

Veja a seguir medidas que podem ser adotadas na empresa, e até mesmo em casa.

Alguns pontos para melhorar a segurança

. Os principais equipamentos de segurança são o capacete, cinto de segurança, talabarte e o dispositivo trava-queda. O uso inadequado ou a falta de equipamentos geram risco;

. O excesso de trabalho é constatado em parte dos casos;

. Faça planejamento da obra. Adote a prévia análise de risco como uma prática;

. Melhore a capacitação, treinamento ou a supervisão;

. Excesso de confiança gera muitos casos. O “nunca aconteceu” pode ser a “deixa” para a queda ou outro tipo de ocorrência.

. Em caso de dúvida, fale com o SINCAF.

Voltar